Fobias e medos prejudicam ascensão profissional. Conheça as soluções

O profissional que tem alguma fobia vai encontrando desculpas e contornando as situações uma por uma, todos os dias

SÃO PAULO – O que é uma fobia? Uma das definições é de que se trata de um medo persistente e irracional, que faz com que uma pessoa evite objetos específicos, situações e lugares, sem que possa explicar o motivo. A declaração é do diretor da UniSãoPaulo – Universidades in Company, doutor Luiz Gonzaga Leite.
Segundo a psicanálise, a fobia tem a ver com angústias internas, algo que magoa muito. “Para que a pessoa não enlouqueça, a mente dela transfere o medo para um objeto ou situação”, diz o diretor. “É um mecanismo de defesa”, acrescenta.
Medos que atrapalham o dia-a-dia
Algumas fobias impedem o profissional não só de trabalhar, como também de viver e de se relacionar com os outros. Por exemplo, a claustrofobia é o medo de ambientes fechados e a agorafobia é pavor de espaços abertos ou multidões, lugares em que o escape para ir a um hospital seria difícil ou embaraçoso, caso ele protagonize uma crise de pânico.
Há ainda outras fobias:
  • Fobia social (o indivíduo evita se relacionar com o próximo, falar no telefone e até mesmo enviar e-mails);
  • Medo de falar em público;
  • Medo de altura;
  • Medo de andar de carro;
  • Hidrofobia (medo de água);
  • Medo da imperfeição;
  • Medo de viajar de avião;
  • Medo de sujidade, de ser contaminado ao tocar objetos ou pessoas;
  • Medo de escadas;
  • Medo de computador.
Mas não confunda a fobia com o simples receio. Muitas pessoas se sentem desconfortáveis diante da necessidade de falar em público, porém, a pessoa com fobia sente isso de forma muito mais intensa, o que acaba se refletindo fisicamente: ela pode sentir taquicardia, sudorese e ter crises nervosas.
Solução
Geralmente, quem tem alguma fobia vai encontrando desculpas e contornando as situações uma por uma, todos os dias. Assim, quem tem medo de espaços fechados, como elevadores, sempre prefere a escada. Até o dia em que esse profissional se depara com a necessidade de acompanhar um cliente ou parceiro comercial de elevador. Com certeza, a situação é embaraçosa.
As fobias, via de regra, se manifestam na adolescência, com a ressalva de que há casos em crianças. O indicado é procurar um médico, que poderá optar por um tratamento que combina medicação e psicoterapia. “O modelo que mais dá certo é o da terapia cognitiva comportamental, que ajuda o paciente a compreender as pessoas e a si mesmo, desvendando a raiz do medo”, opina Leite.
“As melhoras começam a aparecer após dois meses. O importante é procurar ajuda, pois não dá para melhorar sozinho. A tendência é piorar cada vez mais. As fobias afetam o trabalho e os relacionamentos, pois as pessoas com esse problema não gostam de se expor”, completa
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: